Padronização, até a página 2

Lentamente, algumas alterações significativas se impõem na indústria automotiva. Pequenas melhoras, que no geral contribuem para um carro se tornar mais agradável.

Comentei o lançamento do Logan reestilizado no Twitter, e um dos itens que chamou a atenção foi o controle dos vidros elétricos, que saiu do painel e foi para a porta. A maioria dos carros coloca estes botões ali; é um lugar prático, que mantém os botões à mão do motorista. Quase uma unanimidade na indústria. O Clio foi ganhar os botões na porta somente após bons anos de mercado, ao passo em que o Logan já o faz na primeira reestilização. Outro que ganhou uma adaptação para o controle de vidros na porta foi o Gol G4, embora o Gol G5 já contasse com isso desde o início do projeto.

Outra quase unanimidade são os difusores de ar no alto do painel, que hoje somente a família Palio, Mille e Vectra não adotam. Era mais comum antes, como no Gol bolinha ou no Corolla quadrado. Difusores altos permitem jogar o ar frio para cima, otimizando a distribuição do ar frio.
Podemos incluir ainda nessa lista o acionamento da buzina na almofada central do volante – ao contrário de na ponta da alavanca de seta, como em franceses antigos e no primeiro Celta – e a regulagem do encosto do banco por roldana, ao invés de alavanca com pontos fixos.

Alguns itens já foram inclusive unificados em toda a frota, como a ausência do quebra-vento e o uso de uma alavanca para acionar o limpador de pára-brisa, ao invés de botão no painel.
Outros já deveriam ter sido adotados por toda a indústria, como função conforto na alavanca de seta (algumas piscadas ao se movimentar a alavanca até o batente), regulagem do intervalo de varrição dos limpadores através de comando giratório, maçanetas cromadas, comando dos vidros elétricos em formato de alavanca (aperta para descer, levanta para abrir) e botão do acionamento do pisca-alerta no centro do painel.

No entanto, para o entusiasta, não deixa de ser um pouco triste pensar na uniformização extrema dos carros, a um ponto no qual dirigir um Ford, GM, Toyota, Volkswagen ou Renault seja absolutamente igual, variando-se somente o logotipo no centro do volante. Este dia, espero que não chegue nunca.

Comentários

Jarraum disse…
ótimo post novamente, apenas complementando seu post, apenas o Clio campus 4 portas ganhou uma enjambra na porta para os botões do vidro elétrico, o 2 portas continua horrivelmente mal posicionado no console central, junto o botão para destravar as portas, além do botão do pisca alerta na frente do freio de estacionamento... Fora algumas bizarrices como esta, o clio campus é um ótimo carro, boa dirigibilidade, suspensão bem acertada e motor decente, ainda q falte um 1.6 na linha atual :)

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6