Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2007

O carro do Wolverine

Imagem
Fui ver o Logan estes dias, ao vivo, como já deveria ter feito há algum tempo.

Para quem conhece o histórico do carro, assusta ver as soluções de redução de custo jogadas na sua cara tão agressivamente. A idéia de colocar a fechadura acima da manopla de abertura das portas e fazer retrovisores intercambiáveis é ridícula. Externamente, no entanto, o resultado é um carro mais propriamente diferente do que feio. Os vidros grandes e retilíneos são um grande problema, mas os desenhistas fizeram o melhor possível com o resto do carro. O resultado é um sedã que teria tudo para ser o mais feio do universo, e consegue, digamos, ser apenas o mais feio do país. Já é um avanço.

A grande qualidade apregoada do carro, o espaço interno, é realmente impressionante. Com o banco dianteiro ajustado para uma pessoa de 1,80m, uma pessoa atrás senta-se confortavelmente, ao contrário de qualquer hatch e sedã médio – Golf, Bora, Focus, Astra, Stilo, 307... A largura também é adequada, embora neste caso sem tan…

O governo e a ganância

Tô ficando meio repetitivo, mas não tem como não voltar ao assunto do crescimento das vendas da indústria automobilística no país. Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Best Cars Web Site a entrada nesta briga pela melhor qualidade nos carros nacionais. É bom saber que o Fabrício, editor do site e, para mim, uma das sumidades em automóveis neste país, tem a mesma impressão.

Em segundo lugar, a matéria absolutamente vexaminosa publicada na Exame deste mês sobre o mesmo tema – a capa da revista é uma belíssima roda de Jaguar. Nada contra a apuração dos dados, mas o enfoque: a revista é voltada para executivos, e portanto assume um linguajar amigável que fere o direito do consumidor brasileiro. Basicamente, a revista mostra a crise pela qual as montadoras passaram nos últimos dez anos e faz questão de frisar que este período de vacas magras ainda cobra seu preço, pois não vemos novos investimentos dos grandes fabricantes. A revista tem a coragem absurda de dizer que “Nos últimos doi…

Falta é vergonha na cara

Dentro duma lista de discussões que participo, sobre carros, pintou um boato: a Ford iria tirar de linha o Focus 2.0 hatchback. A informação vinha de um dos membros mais confiáveis do grupo, e fora devidamente checada – a opção estava ausente do configurador de carros no site da empresa.

Na discussão que se seguiu – e já adianto que era tudo mentira, o configurador do site estava errado – um membro levantou o seguinte: “Hoje, podemos comprar o Focus em oito cores, sendo que só duas delas são realmente factíveism, o preto e o prata. Temos duas opções de motores e três de acabamento sendo que a diferença entre a GL e a GLX é mínima e os motores e acabamento não são intercambiáveis – ou seja, não posso ter um Focus 1.6 Ghia e nem um GL 2.0. O que leva a isso?”

A afirmação acima estava embasada pelas opções que o comprador do Focus tem no Reino Unido – uns nove acabamentos diferentes, bem como uma gama de motores que vai de 1.4 a 2.5 com 220 cv, incluindo opções a diesel. Onde perdemos o bo…

Economics

Uma explicação econômica sobre a questão do ar-condicionado, logo abaixo:

(desculpem o inglês, pessoal)

Having sampled the short cappuccino in a number of Starbucks across the world, I can confirm that it is a better drink than the buckets of warm milk—topped with a veneer of froth—that the coffee chain advertises on its menus.
This secret cappuccino is cheaper, too—at my local Starbucks, $2.35 instead of $2.65. But why does this cheaper, better drink—along with its sisters, the short latte and the short coffee—languish unadvertised? Economics has the answer: This is the Starbucks way of sidestepping a painful dilemma over how high to set prices. Price too low and the margins disappear; too high and the customers do. Any business that is able to charge one price to price-sensitive customers and a higher price to the rest will avoid some of that awkward trade-off.
The difficulty is that if some of your products are cheap, you may lose money from customers who would willingly have paid more…

18 graus e meio

Recentemente li uma matéria num site americano sobre cinco opcionais absolutamente dispensáveis em carros novos. Alguns itens nem fazem sentido aqui, pois ainda levam alguns anos para chegarem à nossa realidade. Mas um chamou a atenção: ar-condicionado Bi-Zone (ou Dual Zone, ou qualquer outro nome proprietário). É o aparelho que permite que se regule temperaturas diferentes para motorista e passageiro.

É na verdade uma extensão de uma evolução do ar-condicionado digital de primeira geração, aquele que mantém uniforme a temperatura no carro como um todo. Existe um salto evolutivo palatável deste modelo para o ar-condicionado tradicional, que é a facilidade de se manter a mesma temperatura no carro sob diferentes condições externas: frio, calor, chuva, sol a pino. Assim como muitas inovações, ela serve mais para reduzir o trabalho que se teria regulando o termostato de um ar-condicionado normal (exceção feita ao do Palio, que só conhece dois estágios: frio polar ou ar super-quente vindo …