Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

A mesma cara, o mesmo banco...

O lançamento da linha 2013 dos remodelados Gol e Voyage reacende o debate sobre a similaridade dos carros da mesma fabricante. A VW optou por um caminho agressivo de frentes quase iguais, nos carros citados e também em Fox e Passat – e não somente no Brasil, mas mundialmente: o novo Polo tem a mesma cara e o Golf 7 deve seguir a mesma linha.


Quem leva a ideia ao extremo é a irmã Audi: todos os carros, do A1 ao A8, são muito parecidos de frente.


No M4R defendemos o caminho do meio: por um lado, frentes muito parecidas desvalorizam os carros mais caros e transformam a linha toda numa mesmice. Por outro lado, carros muito distintos não consolidam a imagem de uma marca, fazendo com que o patrimônio da identidade seja perdido.


Uma boa demonstração deste segundo exemplo é a Fiat. Retire os logos e é difícil dizer que Uno, Grand Siena, Punto, e Freemont são da mesma marca. Isso sem contar em versões como Palio Fire e Mille. E assim a Fiat, que poderia imprimir identidade italiana a seus car…

Qual o preço do ar que você respira?

Assim como nos anos noventa, hoje o álcool é o patinho feio dos combustíveis. Está caro, ninguém mais usa, e aí todos quem têm carros flex utilizam-no como monocombustível, numa forma menos eficiente do que se o carro fosse desenhado desde o princípiompara rodar com um combustível só.


A primeira coisa a se notar é que não é o álcool que está caro; é a gasolina que está barata. Faz anos que se paga mais ou menos o mesmo preço pelo litro da gasolina no Brasil todo, enquanto o barril de petróleo subiu de 40 para cerca de 100 dólares, patamar atual e mantido globalmente há algum tempo.


A Petrobras detém o controle dos preços da gasolina, mantidos artificialmente baixos para controlar a inflação. A própria Petrobras já assumiu publicamente que não pode manter os preços assim por muito mais tempo - o diesel já até foi reajustado.


A estabilização do preço da gasolina forca a estabilização do preço do álcool, já que se este custar mais do que 70% do preço da gasolina, ninguém compra. Os produ…

Estradas do sucesso

Pedimos licença aos amigos leitores dos diversos cantos do Brasil para um post sobre São Paulo – mas que pode ser útil caso seu governo esteja discutindo privatização de estradas.

As primeiras estradas privatizadas pelo governo de São Paulo o foram pelo PSDB. Não vamos aqui entrar no detalhe de cálculo de cobrança e remuneração das concessionárias, mas fato é que as estradas privatizadas nessa fase têm hoje os pedágios mais caros do País. Começando pelo sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital ao litoral e seu pedágio acima dos 20 reais, e passando pela Anhanguera-Bandeirantes, que cruza o interior do estado por Campinas e Ribeirão Preto. Uma viagem de ida e volta até Campinas, não mais distante do que 100 km da capital, implica no desembolso de mais de 20 reais somente de pedágios.

O governo federal, petista, riu desses preços altos e bolou um sistema de privatização no qual os pedágios seriam muito inferiores. No papel, tudo muito bonito. A Régis Bittencourt, trecho da BR-11…

Teste: “New” Fiesta hatch SE 1.6 16v

Imagem
Para a catgoria dos hatches, esta geração do Fiesta traz a mesma ruptura que o Corsa “ovinho” de 1994. É um daqueles carros que definem um novo patamar. Basta ver como o Punto – que é um carro bonito – envelheceu perto dele, e mesmo lançamentos como o Sonic não surpreendem. E isso sem falar no Polo, que já está fazendo mais do que hora extra no mercado...
O Fiesta é o compacto global da Ford, válido tanto para o mercado europeu – no qual o Fiesta é um dos carros mais vendidos há várias gerações – quanto para o mercado norte-americano que começa a dar valor aos modelos pequenos. É a mesma estratégia da Fiat com o 500 (que aliás compartilha a plataforma com o novo Ford Ka europeu), só que num carro um pouco maior e sem o visual retrô.
E num carro com tantas resposabilidades a Ford não ia vacilar no design. O Fiesta é uma aula de design moderno e avançado: faróis dianteiros afilados, vincos fortes, linha de cintura fortemente ascendente, e mesmo assim um vínculo com o restante da linha …