Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2010

A passo de formiga...

O consumidor brasileiro é bizarro. Em primeiro lugar, o que importa na aquisição do carro é o preço. Cidadão tem 50 mil pra investir num automóvel e fica na dúvida entre um EcoSport, um Fit, uma Meriva e um Golf. Difícil imaginar carros com propostas mais distintas do que esses quatro, com apenas uma coisa em comum: custam menos de 50 mil. O resultado disso é a família apertada e levando menos bagagem do que gostaria, ou o consumo excessivo de combustível, ou alguma outra ocorrência que deixe bem claro a inadequção daquele carro para aquele uso. O consumidor brasileiro médio não pensa no uso que fará do carro: roda sozinho na cidade, mas, como está ganhando bem, manda um Fusion V6. Ou aboleta o carro de tralhas do filho recém-nascido e opta por um Astra hatch ou ainda uma 207 SW, que é perua só no nome, com aquele porta-malas exíguo de 313 litros.Além de não se preocupar com o uso que fará do carro, o consumidor brasileiro médio também não se preocupa com os custos envolvidos na posse…

Descanse o pé

Resumindo de forma grosseira, existem quatro tipos de transmissão para automóveis no mundo. A mais comum é a manual, na qual o condutor seleciona as marchas através do câmbio e do auxílio de uma embreagem. Temos a automática, na qual um sistema complexo envolvendo um conversor de torque faz as trocas de marcha automaticamente. É mais antigo do que pensamos, tornando-se popular nos Estados Unidos já na década de 50 (a Cadillac parou de oferecer carros manuais antes dos anos 60 e só retomou a prática 30 anos depois). Temos ainda a CVT, que andava esquecida e que tivemos por aqui no Fit da geração anterior e no Sentra. Um grupo de polias adapta-se à velocidade e à abertura do acelerador, dando a impressão de marchas infinitas. E, por fim, existe o câmbio automatizado, um manual com operação eletrônica, dispensando o pedal da embreagem.

Todos têm suas vantagens e desvantagens. O manual é o mais eficiente, com menos perdas de tração e desperdício de combustível nas trocas de marcha. O autom…

A trilha mais radical: SP na chuva

Três conhecidos sofreram danos em seus carros devido à chuva da madrugada de quarta para quinta-feira (20 e 21/1) em São Paulo. Carros normais, hatches e sedãs.

Não vou me alongar aqui falando do descaso do poder público, da impermeabilização excessiva, do aquecimento global, do El Niño, etc. Mas sim do reflexo disso no universo automobilístico: o crescimento nas vendas de SUVs.

Faz sentido; SUVs são mais altos, calçam rodas maiores, muitas vezes possuem tração nas quatro rodas e estão infinitamente mais preparados para rodar nestas condições caóticas. A grande maioria dos donos de SUV, no entanto, tem dó dos seus carros, pelos quais pagaram bem caro, para colocá-los a enfrentar um alagamento. Claro que é preciso tomar cuidado: um Tucson é bem mais limitado que um Defender, e tendo em vista que alguns túneis em São Paulo ficaram com água até o teto, nem um Defender com snorkel encararia aquilo. Mas muitos pontos de alagamento podem ser vencidos por um SUV. Os donos só precisam de um pou…

Um cara bom

Esses dias pude ler uma revista nova, "Tempo da Sky", voltada aos assinantes da operadora de TV paga. Iniciativa brilhante, não é uma revista com a programação do canal como seria de se esperar, mas uma revista com matérias interessantes sobre diversos assuntos, mais ou menos como a V, da VW.

Uma das matérias é sobre carros, a construção de carros artesanais por um italiano radicado no Brasil. Assinada pelo Arnaldo Keller.

Desde que vi seus textos no Best Cars Web Site e, principalmente, escrevendo sobre carros antigos na Car and Driver, fiquei admirado com a elegância da escrita deste senhor. Ele te coloca no banco do motorista de qualquer máquina, descreve um DKW de uma maneira glamourosa, tem poesia em seu texto de prosa. É absolutamente genial, quiçá o melhor autor brasileiro sobre automóveis da atualidade.

Para quem não conhece, recomendo demais a leitura.

Teste comparativo: Volkswagen Fox 1.6 Prime I-Motion x Chevrolet Agile 1.4 LTZ

Imagem
Eles tomaram conta das capas das revistas automobilísticas mais recentes. Foram, talvez, os lançamentos mais importantes da indústria no Brasil em 2009. Demorou, mas finalmente o M4R traz o super comparativo entre os novos compactos da Volkswagen e da General Motors, e interpreta o que cada um deles significa para a montadora e que lições podemos extrair dali.

Vamos começar pela Volks. Foram anos de supremacia absoluta no mercado brasileiro, dormindo em berço esplêndido, vendendo carros incrivelmente defasados contra uma concorrência cada vez mais moderna. O resultado demorou muito, muito mesmo, mas veio inexoravelmente: a VW não conquista o título de montadora que mais vende no Brasil há nove anos.

É óbvio que isso não foi visto com bons olhos. E, com a bênção da matriz, a Volks brasileira começou a dar uma revigorada em sua linha de produtos. No começo, nada deu certo: o Gol G4 é um dos piores carros já fabricados por ela, e o Fox, embora razoavelmente bom de vendas, não substituiu o …

Soberba

Feliz 2010! Que seja um ano de muitos bons quilômetros rodados para todos!

O M4R retoma as atividades um pouco chocado com a petulância da Fiat nas propagandas celebrando sua liderança em vendas pela oitava vez. Para quem não viu, nos anúncios a Fiat lista uma série de iniciativas nas quais foi pioneira no Brasil, como ao lançar o primeiro carro a álcool, a linha Adventure, etc. Tudo é verdade e eu respeito a Fiat, mas gostaria de acrescentar outros dados a essa lista, que eles talvez tenham esquecido:

- A primeira montadora a substituir um excelente motor 1.6 16v por um 1.8 beberrão, barulhento, antiquado;
- A primeira montadora a manter um carro por 26 anos em linha sem a menor preocupação com a segurança dos seus ocupantes (Mille);
- A primeira montadora a realizar quatro cirurgias cosméticas sobre a mesma plataforma, distorcendo completamente o carro (linha Palio);
- A primeira montadora a não oferecer ao consumidor um câmbio automático decente;
- A primeira montadora a tentar vender um…