A passo de formiga...

O consumidor brasileiro é bizarro. Em primeiro lugar, o que importa na aquisição do carro é o preço. Cidadão tem 50 mil pra investir num automóvel e fica na dúvida entre um EcoSport, um Fit, uma Meriva e um Golf. Difícil imaginar carros com propostas mais distintas do que esses quatro, com apenas uma coisa em comum: custam menos de 50 mil. O resultado disso é a família apertada e levando menos bagagem do que gostaria, ou o consumo excessivo de combustível, ou alguma outra ocorrência que deixe bem claro a inadequção daquele carro para aquele uso. O consumidor brasileiro médio não pensa no uso que fará do carro: roda sozinho na cidade, mas, como está ganhando bem, manda um Fusion V6. Ou aboleta o carro de tralhas do filho recém-nascido e opta por um Astra hatch ou ainda uma 207 SW, que é perua só no nome, com aquele porta-malas exíguo de 313 litros.

Além de não se preocupar com o uso que fará do carro, o consumidor brasileiro médio também não se preocupa com os custos envolvidos na posse de um carro. Está longe de ser só a compra: o possante precisa ser abastecido, revisado, os pneus trocados. Acho válido a Quatro Rodas fazer, como foi a capa da edição de janeiro, um comparativo entre os hatches médios avisando que é possível ter um deles por pouco mais que um compacto premium. Aí o cidadão manda uma carta pra revista agradecendo, pois ao invés de comprar um compacto, ele levou pra casa um Astra. Espero, de verdade, que ele tenha considerado nessa conta o valor do seguro do Astra, que é bem salgado, os abastecimentos mais frequentes, e mesmo a troca de pneus, que são bem carinhos com aro 16". O sujeito não pensa em nada disso e o resultado é, em pouco tempo, um carro comprometido pelo abastecimento com combustível adulterado (mais barato), rodando sem seguro, e com pneus aro 16" remold, e aí o cidadão anda a 20 km/h na chuva pois qualquer coisa acima disso o carro dele aquaplana.

E isso sem contar o outro sujeito que escreveu para a mesma revista elogiando o comparativo e dizendo que, "na vida real dele", ele levou o Vectra para casa (que, com justiça, ficou em último na comparação da Quatro Rodas). A revista desce a lenha no carro dele e ele escreve elogiando? Hein? Perdi alguma coisa? Ou como acontece muito aqui no M4R, o motorista compra um carro e DEPOIS vai pesquisar o que a imprensa acha dele. Aí descobre o blog, descobre que descemos a lenha no carro novo dele, e aí o cara escreve um comentário todo ofendido. Putz, era só ter pesquisado ANTES, não é assim que deveríamos fazer?

A melhora recente na economia deu a milhares de brasileiros a oportunidade de comprar o primeiro carro. Não dá pra falar nada de quem está começando. Mas gente que passou dessa fase não tem mais desculpa para cair nestes contos do vigário extremamente simples. Comprar um carro é uma decisão complexa e que envolve muitos outros fatores além do simples preço de compra e preço de revenda. Quando outros itens como manutenção, postura da empresa e prazer ao dirigir forem tão considerados quanto o preço, aí sim teremos amadurecido.

Comentários

André disse…
Dub, excelente, cada vez melhor. A propósito, venho fazer um "apelo" :-) Não recordo de uma avaliação sua das minivans. Meu ford focus foi adquirido depois de várias análises do que eu esperava pra ele. Confesso que pensei muito entre ele e o sentra, e fui no estilo do focus. Satisfeitíssimo.

Num futuro próximo farei a troca do idea de minha digníssima por uma minivan de verdade. Mas não há avaliação, ou mesmo posts sobre minivans médias de verdade. Por "de verdade", falo de C4 picasso, kia carens e por aí. Por favor, não invente de falar em meriva e zafira, pois aí é forçar a amizade.

Bom, fica aqui o elogio pelos posts ácidos (são os melhores), avaliações e o recente comparativo.

Ah, vc leu os recentes comentários sobre o kuga? Belíssimo. Só não entendo a proposta desses cross overs. São bonitos, mas não entendo a que vieram. Pode nos dar uma canja? Taí uma ideia de post: as diferentes categorias.

Fico por aqui. Parabéns e abraço!
Rafael disse…
Acho que você entrou em contradição. Você critica as pessoas que abandonam o popular premium lixo (como o punto) pra entrar na categoria de médio.

Pois logo cita prazer em dirigir, coisa que sempre qualquer médio obsoleto como o Astra vai ser melhor que qualquer compacto premium como Punto, Sandero, Fox e e etc.
Custo de seguro é relativo, não entra na conta, e no caso do Punto de novo, tem o valor da apolice não tão distante do Astra (meu perfil). Consumo de combustivel? O Astra faz quase a mesma coisa que Fox, Punto, Fiesta e etc... Onde está tamanha economia? Economia mesmo só se a pessoa pegar um Corolla Flex...

Então não vejo o custo tão maior que você cita, com exceção dos pneus aro 16, o custo de manutenção do Astra é baixo comparado a Fox. E os demais tem custo similar aos do Frances, carros de manutenção cara para os padrões, portanto concordo com a revista nesse caso e não vejo economia relativa de um lixo premium como Sandero e Punto contra o mais Obsoleto de todos, o Astra.

Lembrando que concordo que o Astra é velho e defasado, mas contra esses rivais, sem dúvidas ele é melhor.
Caio disse…
astra peca, nao tem nem a opcao de abs...
Rafael disse…
É verdade, Agile, Sandero e Fox tem abs de série né?
Dubstyle disse…
André, muitíssimo obrigado pelos elogios. Espero que esteja aproveitando bastante o Focus, um belo carro.

Confesso que não entendo muito de minivans. Sempre me pergunto qual a tarefa da minivan que um bom sedã ou perua não faria com a mesma desenvoltura. Uma C4 Picasso não pode ser substituída por um Pallas? Isso para ficar na mesma marca.

Eu gosto da Zafira, que mesmo defasada tem boas sacadas, mas sem dúvida minha favorita no segmento é mesmo a C4 Picasso. Mas pelos mesmos 80 mil pedidos por ela dá pra colocar na garagem um Fusion ou um Jetta... hummm...

Sobre as categorias, gostei da sugestão, falarei sobre isso em breve.

Rafael, veja que não defendo a compra de um compacto premium ao invés de um médio, e sim pergunto se o comprador está mesmo ciente de tudo que envolve fazer esta troca, especialmente em termos de custos. Sobre optar por um Astra ou um Punto, como você comentou, isso depende do que o comprador valoriza mais. Eu valorizo muito o design atualizado, o projeto igual ao da Europa, a posição de dirigir e provavelmente ficaria com o Punto nessa situação, abrindo mão de boas qualidades do Astra como o espaço interno e a lista de equipamentos de série. Mas se o comprador de Astra estiver consciente do que está levando para casa, ou seja, um carro defasado, mas recheado de equipamentos a um ótimo preço, não vejo problema algum em ficar com ele.
Paulo disse…
Olá Dub, novamente uma excelente matéria e não menos excelente, as respostas aqui apresentadas !
Mas deixa eu contar aqui o que um bom sedan não faz (e a minivan faz): Um dia minha TV de 29 (tubão!)abriu o bico e lá fui eu tentar coloca-la num Santana (que não dava de jeito nenhum). Peguei uma Meriva taxi novinha e a TV entrou no porta-malas dela sem problemas (Há, no Sentra, com o sistema de rebatimento dos bancos de tras., cabe folgado). Excelente esse Sentra CVT, só a suspensão é que deveria ser recalibrada. Gde abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática