Novo Corolla

A Toyota apresentou o novo Corolla. Algumas impressões:

- O design exterior não tem nada de novo, é até meio pesadão. Parece um Camry em miniatura, o que não é um elogio ao pensarmos que o Camry é o carro da terceira idade por referência nos Estados Unidos. Traços conservadores, pesados, mescla um tano indefinida de retas e curvas. Mas tem um grande mérito: opõe-se radicalmente às linhas do Civic, arrojadas e modernas, e que podem fugir do gosto de uma faixa bastante ampla de compradores, em especial ao notarmos que são carros de luxo no Brasil. O Civic mira pessoas mais jovens e esportivas; o Corolla aposta nos conservadores.

- O conjunto mecânico permanece o mesmo, o que é ruim. Na geração anterior, o Corolla tinha um ótimo acerto de suspensão e era um carro bastante agradável de guiar. É provável que tenha continuado igual, mas agora a concorrência evoluiu. O Civic, que sempre teve uma suspensão traseira mais avançada, agora encontrou um ótimo equilíbrio entre conforto e estabilidade. O futuro Focus sedan, se seguir o acerto do atual, também terá um comportamento dinâmico superior.

- O interior parece ter melhorado bastante. Talvez não em encaixe das peças, que sempre foi um ponto forte do carro de qualquer maneira, tampouco na qualidade dos materiais utilizados, mas simplesmente no design. Está bem mais bonito e os comandos, bem distribuídos.

- Uma nota altamente positiva para a foto que mostra a versão SE-G, de topo, com o interior mesclando cor caramelo e madeira. Pessoalmente, não gosto, mas aprecio muito a Toyota fornecer essa liberdade de opção ao comprador em relação ao interior.

- Manter a potência do motor em 136 cv é conservador. Muito provavelmente as filiais brasileiras se prendem a esses valores devido a testes dinâmicos feitos internacionalmente e que “autorizaram” os carros a ter essa potência. No Brasil é feito um Civic bem mais potente, o Si, enquanto a Toyota oferece versões mais fortes do Corolla lá fora. Não custava soltar um pouco mais esses motores, que estão amarrados tanto em potência quanto em torque.

- Manter o mesmo câmbio automático é, a meu ver, o maior retrocesso da Toyota com o novo carro. O câmbio do Corolla está abaixo da média: não é suave, não oferece a possibilidade de trocas manuais, não tem opção esportiva, tem apenas quatro marchas. Está muito aquém do carro e do motor aos quais ele serve.

- Preços estão competitivos em relação ao Civic. O Civic pode, na prática, ser dividido em quatro categorias: LXS manual, LXS auto, EXS e o Si, que não tem concorrência na Toyota. Visto desta maneira, o LXS manual leva vantagem sobre o XLi manual, que no entanto é mais barato. LXS auto e XEi travarão o grosso da briga, enquando os compradores de EXS e SE-G precisam rever seriamente seus conceitos – na categoria entre 80 e 100 mil reais, só há um carro: Ford Fusion.

- Corolla vem significativamente melhor equipado que o Civic na maioria das versões, oferecendo air bags laterais e ar digital na versão XEi. Está se delineando uma briga entre o melhor conjunto mecânico (Civic) e o mais equipado (Corolla). Mesmo assim, está mais do que na hora desses carros adotarem mais opcionais e um acabamento mais caprichado.

Comentários

Anônimo disse…
Discordo totalmente do comentário que se refere ao já defasado FUSION como unica opção na faixa de R$ 80.000,00 a R$ 100.000,00pois com menos dinheiro que comentou vc leva ele,no mercado de usados já é um mico, sem falar que já está mudando o modelo,para ter coragem de dizer isso vc deve desconhecer o VW JETTA, com seu modernissimo cambio tip de 6 marchas.... Entre outros vários atributos, visite uma concessionária VW e faça um test-drive, depois ande no fusion e tire suas conclusões....
Dubstyle disse…
Caro,

No mesmo preço, eu prefiro o Jetta ao Fusion. Com o Jetta a 80 mil e o Fusion a 64, não em como não ficar com o Ford, que tem um espaço interno muito maior e alguns equipamentos ausentes do Jetta, como acendimento automático dos faróis, retrovisor interno fotocrômico e sensor de pressão dos pneus.
Neto disse…
Antes de mais nada, temos que entender que cada carro tem um propósito e os fabricantes procuram fazer um mix de qualidade/custo benefício. Referente aos comentários postados sobre o novo Corolla concordo com 50% deles,como por exemplo o câmbio continuar de 4 marchas e o motor não ter vindo mais forte; Porém,devemos lembrar que o acerto motor/câmbio do Corolla é muito bom para o seu propósito,o consumo dele nessa configuração preservada pela Toyota foi pensada em seu público de décadas, em continuar com um produto confortável, confiável e seguro, por isso essa configuração,com certeza, se ele fosse mais forte de motor com e outro câmbio, o consumo, preço e manutenção seriam outros tbém e ele já não competitiria na categoria que ele se encontra, seria como um Ford Fusion, bonito, porém, é uma barca projetada para outro perfil de cliente,com manutenção cara (como todo Ford)é um mico na hora da revenda e nada econômico. Com a gasolina podre que temos no Brasil é impossível que a Toyota traga os modelos mais apimentados de fora esperando o mesmo rendimento. Hoje,com a configuração atual do novo Corolla, o carro tem um rodar mais macio e confortável que o Civic,a caixa de câmbio autom. de 5 velocidades do Civic o tornou um beberrão na cidade em comparação com o Corolla e é mais lento de saída, o que na cidade é ruim principalmente se tratando de um carro automático. Comparando as versões de Corolla não acho vantagem nenhuma o preço da versão SE-G eu não compraria, existem opções melhores (c/pouca diferença de valor e que proporcionaria muito mais prazer de dirigir)como Azera e Jetta com melhores motores. Eu tenho 29 anos e tenho um Corolla XEI mod. novo automático, por isso escrevo as palavras acima e indignado pergunto porque não se pode trocar as marchas do Corolla Aut. manualmente, eu faço isso normalmente quando eu quero uma tocada mais esportiva eu mudo as marchas dele sem problemas e sem trancos. O Corolla atinge 180km/h sem dificuldades e em silêncio,viajando a noite se não tomar cuidado é perigoso dormir no carro, pois às vezes se escuta apenas o rodar dos pneus sobre o asfalto, nunca andei acima dessa velocidade, pois, nós temos muitos radares nas rodovias e pista de corrida é em Interlagos, tbém gostaria que ele tivesse caixa aut. de 5 velocidades, ajudaria nas retomadas que eu aredito que em função disso ele perca nesse quesito para o Civic, porém, provavelmente ele consumiria mais na cidade onde eu mai rodo que é o caso do new Civic. Quem quer carro para correr compre o Civic SI(infelizmente só vem mecâncio e como toda versão esportiva é mico na hora da revenda seu seguro nem se fala) Pago apenas 1.058,00 de seguro/ano no meu Corolla 08/09 (sinônimo de ótima mecânica e menor índice de roubo),o carro é confiável,Flex (não necessariamente econômico, mais que Civic e Vectra, mas longe de se poder usar a palavra econômico),confortável,porta-malas de um verdadeiro sedã (infelizmente com braços ultrapassados que ainda esmagam bagagens),bonito,seguro e dá um show em ergonomia se comparado a qualquer New Civic, faça uma viagem longa e descubra esse prazer, mas, não espere em carros abaixo de 100mil todas as qualidades que queremos: pequenos por fora e grandes por dentro, potentes e econômicos, esportivos e com seguro barato.

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6