Rumo ao abismo

A Peugeot acaba de iniciar as vendas do “novo” Peugeot 308, em breve seguido pelo 408. O “novo” vem entre aspas pois o carro é o mesmo, tendo sofrido ligeiras atualizações na dianteira e no painel – o resto permanece intocado.

Na Europa já existe um novo 308, esse novo de verdade e portanto sem as aspas, mais moderno, mais bonito, e mais seguro.

A história é muito semelhante à do 206,5, chamado pela Peugeot de 207, que foi na verdade o velho e bom 206 submetido a um plástica horrorosa que não o deixou bem parecido com o 207 europeu, nem com o belo 206 ao qual sucedeu. E, claro, o 207 foi um fracasso de público e crítica. Aí a Peugeot faz DE NOVO A MESMA COISA!

Quer dizer, se aconteceu alguma recuperação de imagem com o bom 208, ela já foi pro buraco com essa falta de compromisso com o consumidor brasileiro. E que não me venham com a palhaçada de “custos de produção” que tá cheio de carro aí sendo produzido tal e qual na Europa sem essa argumentação falaciosa.

Mas nem adianta falar né? As vendas da Peugeot são mínimas, só caem, em breve serão insignificantes. E assim vai.

Comentários

ditrg disse…
Dub,

Estou me atualizando nas leituras e por isso o comentário atrasado em um post !


Ao ler essa sua crítica à peugeot - que efetivamente concordo - quando consideramos o atraso nos modelos entre Europa e Brasil, não faz sentido relacionar com o seu post anterior (A3 nacional)?

Se pensarmos bem, excluindo a questão de manutenção, um 308/408 é bem acabado (comparando com o focus, ou mesmo o Golf por exemplo), muito equipado, tem motor turbo, e um câmbio auto de 6 marchas bem honesto.

No fundo o que a audi está fazendo com o a3 (e a vw com o Golf) não é a mesma coisa que a peugeot, efetivamente distanciando o modelo do modelo europeu?

Óbvio que o guiar do a3, o compromisso com o motorista é superior, mas o carro também é mais caro.

No fundo, na minha modesta opinião, infelizmente o Brasil ainda é um mercado onde o consumidor não é prioridade, e todas as montadoras fazem isso.

Por isso, que no final das contas, os carros realmente importados são a melhor opção, para quem pode comprar.

Abs
Dubstyle disse…
Ditrg,

Não. Golf com eixo de torção atrás existe na Europa, portanto não há diferença neste aspecto. Audi A3 não, mas se formos falar de diferenças com relação aos produtos lá fora, podemos nos aprofundar muito mais. O A3 vendido no Reino Unido pode receber como opcional suspensão com controle magnético de firmeza, diversos tipos de acabamento, tudo eliminado do pacote Brasil.

O que a Audi fez foi oferecer uma versão mais confortável, mais macia e também mais barata, e ainda manteve a opção de tecnologia superior na nova versão 2.0. Poderia ser mais macia com multilink? Sem dúvida, deixamos claro no texto.

O que a Peugeot fez foi mentir para o consumidor brasileiro, dizendo que trazer o novo 308 seria muito caro. A existência de Golf e Focus em nosso mercado comprova a mentira. É muito diferente.

Quanto ao consumidor não ser prioridade, concordamos. Mas veja como a Audi agiu bem nesse sentido: ofertou uma versão para os preocupados em mais conforto e manteve uma outra versão para os mais entusiastas. É algo que dificilmente se vê.

Abs e continue navegando!

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6