Complexo de vira-lata

Li dia desses uma crítica muito honesta em relação aos shows da cantora inglesa Amy Winehouse no Brasil: “nem tudo é bom só porque vem da gringa”. A ideia era mostrar que não necessariamente porque uma coisa é moda ou bem falada num outro país, ela vai funcionar por aqui.

Quero mudar esse princípio um pouco para uma das coisas mais hediondas já vistas: a nova BMW 5 GT. A maioria das análises que vi desse carro por jornalistas brasileiros é aquele usual desbunde de quando o cara acabou de avaliar uma Monstrana e entra numa BMW: tudo é lindo, maravilhoso, sensacional. Não discuto muitos dos méritos da 5 GT, e entre esses méritos está o de ser um dos carros mais feios e inúteis de todos os tempos.

Jeremy Clarkson, no Top Gear, acostumado a avaliar Ferraris e Aston Martins, e não Golf 4,5, chamou a 5 GT de um carro completamente sem personalidade, que não consegue ser nem um SUV e nem um sedã, com os problemas de alto peso e má dirigibilidade de um utilitário, sem a capacidade para o fora-de-estrada. Nem mesmo o espaço interno é bom, pois aquele perfil bizarro de cupê, com a caída do teto, limita enormemente o espaço para as cabeças no banco de trás.

Claro que é uma BMW, então tem acabamento excelente, ótimos motores, isso, aquilo e aquilo outro. Mas a própria BMW oferece opções muito mais inteligentes como a série 5 e o X5.

De fato, nem tudo que vem da gringa presta de verdade.

Comentários

Anônimo disse…
Você diz isso, mas nunca entrou em um. Que vergonha.
Anônimo disse…
Não sou o Jeremias e por isso nunca dirigi um, mas sobre o visual concordo: é mais feio que bater na mãe. E a Audi fazendo na mesma categoria aquela "coisa feia" chamada A5 Sportback...

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6