O chato do estacionamento

 

Posso estar completamente errado, mas nesses dias venho constatando uma realidade interessante: mulheres e homens usam pontos de referência diferentes na hora de estacionar. Explico.

 

Como a maioria dos motoristas realmente cuidadosos, ao estacionar num shopping ou qualquer lugar com um monte de vagas, procuro sempre, em primeiro lugar, uma vaga isolada na qual nenhum carro possa parar do lado. Essas vagas são muito difíceis de se encontrar no estacionamento e são bastante disputadas.

 

Em não havendo nenhuma dessas vagas disponíveis, o que procuro fazer é estacionar ao lado de uma coluna que fique entre uma vaga e outra. A existência dessa coluna obriga o motorista que for estacionar na vaga ao lado a parar mais longe, para desviar da coluna, e isso tem duas vantagens: mais espaço para se abrir as portas, evitando aquela batidinha comum e tão irritante, e também evita uma improvável porém possível batida no seu carro de um cidadão ou cidadã que não tenha a menor noção para estacionar.

 

Por conta desse espaço extra, eu normalmente paro o carro bem encostado nessa coluna, muitas vezes com a distância mínima para a passagem do retrovisor, ou às vezes nem isso. O objetivo é dar a maior distância possível para a vaga do outro lado, que não tem separação por coluna, e assim evitar a mesma questão das batidinhas.

 

No entanto, tenho reparado que essa tática não funciona se o motorista que for estacionar nessa vaga for, na verdade, a motorista.

 

Evidentemente que estou generalizando, mas aconteceu comigo duas vezes dentre as últimas quatro que pude ver alguém estacionar ao lado do meu carro. Sendo que, nas duas em que isso não aconteceu, o motorista era homem.

 

Aparentemente, os homens estacionam seu carro usando como referência as linhas no chão que delimitam uma vaga e outra. Assim, com meu carro grudado na coluna, sobra uma distância respeitável entre nossos automóveis e ambos podem abirir suas portas tranquilamente. Já as mulheres, não; a demarcação para elas é o carro ao lado, independente da distância que este carro esteja da linha delimitando as vagas. E mulheres normalmente são magras e precisam de pouco espaço para sair do carro, o que reduz a sua percepção deste "espaço necessário" a uma distância mínima.

 

Hoje foi a vez de um 307. Com meu carro devidamente parado colado numa coluna, a moça começou a estacionar visivelmente perto demais do meu carro. Resultado, precisou sair por uma abertura mínima da porta. Depois fui ver o estrago: as rodas do 307 estavam exatamente sobre a linha divisória, enquanto que, do outro lado do 307, que não saiu e nem entrou ninguém, havia um quilômetro até a linha demarcando o final da vaga. Na semana passada, um Sandero foi ainda mais agressivo: as rodas estavam dentro da vaga na qual eu estava estacionado, o espaço para se abrir as portas era mínimo. A moça precisou se contorcer para sair do carro.
 

As faixas no chão estão ali por um motivo. Já não basta os estacionamentos malucos que acreditam que todos os carros têm a largura de uma moto (como o do shopping Cidade Jardim, voltado para um público de classe alta, que normalmente dirige SUVs, e tem vagas apropriadas para um Gol. O resultado é que, num espaço de três vagas, estacionam uma Pajeto e uma Santa Fe. E pronto). Peço a todos que respeitem o espaço individual do carro na vaga ao lado - e isso vale também pra caras folgados, normalmente homens, que ocupam duas vagas. Podemos todos sair e entrar confortavelmente de nossos automóveis, sem batidas na porta e amassados desnecessários e irritantes.

Comentários

Paulo disse…
Pois é! Tbem tenho notado isso. Foi bem colocado, mas acho que esse pessoal "distraido" (ou outro termo para designar-lhes) nem vai ler isso. Ese ler, não vão dar a mínima. Qto as mulheres, tem uma teoria que diz que isso tudo remonta ao tempo das cavernas: Nós homens, saíamos para caçar (daí nossa superioridade em visão e raciocínio espacial), enquanto elas tinham que cuidar da entrada da caverna e -ao mesmo tempo, dos pequenos (daí a superioridade em dividir a atenção e executar 2 tarefas simultaneamente...).Gde abraço
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
Nesse fim de semana quase botei fogo em um C4 VTR, o SAFADO estacionou aquela porcaria em duas vagas, na cara dura. Coisa que não é comum por aqui, o meu instinto marginal quis predominar, enfiar um carrinho na porta dele, passar a chave, qlqr coisa.. muita raiva.
Anônimo disse…
Parece até que fui eu escrevendo este artigo. Faço exatamento isto nos estacionamentos de supermercados. Odeio pessoas que param carros colados. SERÁ QUE ELES PENSAM QUE OS CARROS ABREM AS PORTAS COMO O CARRO DO BATMAN ? A menor distância para que alguém consiga sair usando apenas o primeiro estágio de uma porta é de pelo menos 60cm e todas as vagas deveriam ter obrigatoriamente pelo menos 2,40m de largura. Estacionando centralizado nessas dimenções todos seriam felizes. Abomino PORTADAS que causam mossas e pelo menos atualmente ainda existe DSP (Desamassamento sem pintura). Observem os carros de hojem em dia: quase todos possuem mossas devido justamente a estes imbecis de estacionamento.

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática