Confusão no IPI

Essa redução do IPI tem causado um bom rebuliço no mercado. Não nos carros de entrada, que seguem vendidos a preços menores, porém ainda muito próximos. A coisa pegou mesmo no segmento de luxo.

Embora a redução afete apenas carros com motores até 2 litros, as montadoras têm aproveitado para fazer alguns desavisados engolirem que reduziram os preços de automóveis com motores de capacidade maior por causa do IPI. Balela, reduziram a gorda, farta, enorme margem de lucro.

É o caso do Hyundai Azera, que despencou de 95 para 75 mil. O carro tem um motor V6 de 3.3 litros que está a anos-luz de ter o IPI reduzido. Mas a coreana aproveitou para deixar o sedã ainda mais competitivo. Se o Azera era o carro a ser comprado na faixa entre 90 e 120 mil, agora ele é o cara na faixa de 75 até 100 mil. Outro que ficou bem mais barato foi o Fusion, cujo motor 2.3 também não se encaixa nas alíquotas de IPI reduzido. No entanto, aqui o caso é mais devido à chegada do Fusion novo, maior e, ao que parece, muito mais equipado. A redução – hoje compra-se o carro por menos de 60 mil, sendo que o preço inicial era de 84 mil – teve um efeito nefasto no mercado de usados, e hoje um Fusion 2007 com ainda um ano e meio de garantia pela frente é uma tremenda pechincha.

No segmento imediatamente superior a este, quem tem praticado uma política mais agressiva é a Volvo. Não sei se isso tem a ver com a iminência de sua venda pela controladora Ford, mas o fato é que o C30, o hatch pequeno que é o carro-chefe da marca, hoje é encontrado a menos de 80 mil, cerca de 10 mil reais mais barato. O sedã S40, do porte de um Civic, sai por 100 mil, e a bela perua deste sedã, a V50, por 105 mil. Não está em questão se os carros valem o que custam – o Azera tem mais equipamentos e é mais potente que os dois -, mas sim que são carros Volvo a preços que começam a ficar acessíveis. E o Azera,, neste caso, pode vir com o equipamento que for: Volvo é Volvo.

O pênalti dessa questão toda é a desvalorização dos usados. É desanimador ver que seu possante na garagem teve o valor de mercado derrubado, em muitos casos em percentuais maiores até do que a redução do IPI. O atual desconto concedido não serve para cobrir as perdas na avaliação do usado. Quem comprou carro no boom de 2007 e 2008, especialmente os carros mais caros, está vendo o preço de seu usado despencar. E aí o melhor a fazer é esquecer essa história de IPI reduzido e continuar com o velho companheiro até que a maré dos usados melhore. Com o mercado aquecido deste jeito, não há negociação que se faça.

Comentários

Gustavo Galvão disse…
Cara, tenho um Civic EXS 2008... comprei até por um preço bom, mas - imagine - saí com ele para tentar trocar num azera... 60 mil é o que propõem por ele! Estou tentando vender por fora, pra particular. Mas se nao conseguir, vou segurar um pouco... o medo que faz é o preço do que eu pretendo aumentar, e o do meu cair mais ainda... o que tu achas?
Bisinski disse…
Gostei do comentário do IPI, realmente esse ângulo que você apresentou derruba toda a idéia atras da redução. Adorei a análise que foi feita no post "Corte do IPI: a burrice."

Gostei do blog, faz crítica inteligente da indústria automobilística, são poucas as pessoas que conseguem enxergar além do óbvio.

Parabens.
Dubstyle disse…
Gustavo, o Azera não sobre de preço mais. Não tem como a Hyundai vender o mesmo carro 10 ou 20 mil reais acima do preço atual sem dar uma bela mexida no design ou nos equipamentos. O Azera é de 2005 e portanto deve ganhar um face-lift em breve, mas sobre isso não tenho mais informações. No meu entendimento, o Civic EXS é um belíssimo carro e você deveria ficar com ele mais tempo...

Bisinski, obrigado pelos elogios e pela visita. Volte sempre!

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6