Por isso que não melhora

Acabamos de ler algumas bobagens numa coluna que achamos que vale a pena comentar. Em itálico nossas considerações.

Já vimos o filme da proteção à indústria que só resultou em prejuízo para o consumidor

Quando a imprensa noticiou, há cinco anos, um novo plano para a indústria automobilística, muitos imaginaram ter chegado a hora de levar para a garagem seu importado dos sonhos. Continuam sonhando até hoje, pois o plano (Inovar-Auto) teve o mérito — sem dúvida — de trazer várias fábricas de carros premium para o Brasil. Mas todas arrependidas de terem aderido ao plano e sem condições de reduzir preços de seus modelos aqui “produzidos”.

Porque não tiveram condições de reduzir os preços? Porque são umas coitadinhas? Coitado, o presidente da BMW tá passando mal de tanta fome, não tem como reduzir preços. Não reduziram porque não quiseram, porque o brasileiro é visto como uma vaca leiteira de dinheiro.

O que fez o governo de D. Dilma? Submeteu-se ao poderoso lobby dos fabricantes e quase inviabilizou a importação de automóveis, aumentando em 30 pontos percentuais o IPI da operação. Artifício que desrespeita todo os acordos internacionais e que levou o Brasil a ser condenado pela Organização Mundial do Comércio.

O Inovar-Auto concedeu vantagens fiscais aos importadores que se estabelecessem com fábricas no Brasil. E às marcas já presentes que aumentassem a eficiência de seus modelos, com redução de consumo e emissões.

Importadoras sem condições de aderir ao plano quase fecharam as portas, pois o brutal aumento de impostos inviabilizou suas operações. Duas das que mais sofreram foram a coreana Kia e a chinesa JAC. E, para quem acha que cliente de Ferrari passa ao largo de crise econômica, vale lembrar que sua importadora no Brasil, que trazia cerca de 50 unidades anualmente, vendeu apenas 12 delas em 2016.

Mas peraí, o assunto não era o Inovar-Auto? Aí de repente virou crise econômica? Crise econômica reduzir a compra de Ferraris nós aceitamos; aumento de IPI, não.

Quatro marcas premium decidiram construir fábricas, mas o mercado brasileiro despencou durante as obras. Só como exemplo, em relação a 2016, que não fez sorrir importador nenhum, este ano as vendas da BMW caíram 19%, a Audi em 24% e as da Land Rover, em 19%. A Mercedes-Benz decidiu reduzir margens e atrair clientes com promoções, conseguindo manter patamar semelhante ao ano anterior.

OOOOOOHHHHHH! AAAAAAAAAHHHHHHHHHH! Você está dizendo que a empresa que reduziu preços não perdeu vendas! Puxa vida, porque será que as outras despencaram né? Deve ter sido muita falta de sorte.

Estas fábricas foram projetadas para pequenos volumes de produção, nada além de 25 ou 30 mil unidades anuais. O que encarece a unidade produzida. Na verdade, pouco além de uma montagem CKD (ou SKD), com baixos índices de nacionalização, que acaba onerando ainda mais a operação e tornando o carro “Made in Brazil” mais caro que o importado. A BMW, por exemplo (foto), para manter a fábrica em operação, acaba de exportar 10 mil unidades para os EUA. O presidente da Mercedes no Brasil diz estar reconsiderando a produção local de automóveis. A Jaguar Land Rover está com descomunal ociosidade em sua fábrica brasileira.  Na Audi, a história pode se repetir e deixar (como em 2004) de produzir o A3 no Paraná.

Opção das fabricantes. Poderiam ter construído uma fábrica mega para um milhão de unidades. Exportar para outros países é uma excelente ideia e todas deveriam fazer mais (e podemos abrir aqui outra discussão de quanto é vantagem econômica de cada país e quanto é proteção dos empregos em seus países de origem ou grandes consumidores). Outra coisa: o carro mais vendido do país emplacou 14.341 unidades em julho, o que por ano dá pouco mais de 170 mil unidades. Os BMWs feitos no Brasil venderem 10% disso num país como o Brasil está bom, não?

No Primeiro Mundo, o mercado dos automóveis de luxo representa um percentual de 10% das vendas. No Brasil, não passa de 2%, travado pela elevada carga de impostos. Então um consumidor nos EUA pode até ficar em dúvida entre a compra de um Chrysler 300 (US$ 40 mil) e um BMW Série 5 (US$ 60 mil), uma diferença de cerca de 50%. No Brasil, o “pulo” entre o nacional e o importado pode ser superior a 100%, inviabilizando a segunda opção.

O mercado de luxo é travado pela elevada carga de impostos sem dúvida, porém não somente os impostos no carro. Ele é travado pelos impostos em todos os lugares que impedem que tenhamos mais pessoas com mais renda disponível para consumo. Quer comparar vendas de carros de luxo do Brasil com o Primeiro Mundo? Ainda temos muito arroz com feijão pra comer.

Como o Inovar-Auto expira em dezembro deste ano, o governo estuda implantar outro plano, chamado de Rota 2030, um programa dito mais longo e consistente, previsto para durar cerca de 15 anos, até o início da década de 2030.

Imagina-se que desta vez se estabeleça um programa que não seja fatal para os importadores. Que perceba a importância de se ter no Brasil, como em todo o mundo, uma saudável e estimulante competição entre marcas locais e importadas. Proteção à indústria doméstica jamais funcionou em lugar nenhum do mundo. Já vimos no Brasil o filme das barreiras alfandegárias num passado não muito distante, obrigados que fomos, durante 14 anos, a pagar alto preço por carros defasados, tão distantes da evolução tecnológica da indústria mundial.


Aqui concordamos. Que o Rota 2030 resulte em estímulo à indústria estabelecida no Brasil, sem impedir os importados, permita a competição livre, e que com isso tenhamos carros mais baratos. E também boa vontade das fabricantes, como a Mercedes mostrou ser possível.

Comentários

Anônimo disse…
O veredito: As fábricas estão condenadas a não mudarem sua política de preços no Brasil, assim o lucro que não vêm das operações na Europa/USA e Asia, virão do Brasil. O consumidor brasileiro está condenado a viajar para fora do Brasil e ser chamado de trouxa quando paga R$120K num sedam média japonês.

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática