Três grandes

O Joel Leite escancarou o que já acontece há algum tempo: é errado falarmos nas quatro grandes brasileiras (multinacionais com atuação no Brasil, para ser mais preciso). São três: Fiat, GM e Volkswagen.

Com o final da Autolatina, a Ford elaborou um modelo de negócios no Brasil no qual não é preciso ser grande para dar lucros – e aparentemente acomodou-se por aí mesmo. Isso explica uma parte da equação: permite que a Ford não seja tão agressiva em vendas, não se empenhe em abrir concessionárias loucamente por todo o Brasil, e seja econômica nos esforços para ocupar mercado na faixa mais disputada, a dos compactos.

Mas tem uma parte da equação que não faz sentido. Porque não se vendem mais Fords no Brasil? O Focus está entre os líderes de seu segmento, assim como o Fusion e o EcoSport. O new Fiesta também ocupa bom destaque entre os compactos premium, mas não são carros de volume. Hoje, dá pra entender porque os Fords mais baratos vendem pouco – Fiesta e Ka estão ultrapassados. Mas quando esta geração do Fiesta foi lançada em 2002, porque não arrebentou a boca do balão?

A chamada do Best Cars à época resume bem: “Motor 1,0 com compressor, um grande conjunto, preço atraente: o novo Fiesta é o que a Ford precisava”. Dos concorrentes à época, o Palio já era o Palio; o Gol G3 era o melhor da geração com motor longitudinal, porém caro e com seguro proibitivo; só a GM apresentava algo interessante com o Corsa. Este Fiesta vendeu bem, mas não mudou o patamar da Ford. Falta de interesse pois a empresa dá lucro assim mesmo? Ou o dano causado pela Autolatina à imagem da Ford foi tão grande que serão décadas para se recuperar? Ou a Ford sofre da fama de não fazer carros pequenos bons, assim como diz-se que a Fiat não sabe fazer grandes (duas bobagens)?

Hoje, com 9% do mercado, a Ford está distante das três grandes, que orbitam a faixa acima de 17% (a Fiat se destaca om 21%), e com a Renault no seu encalço, com 7%. Os carros de origem Dacia foram a solução para a Renault ser vista como “a francesa com confiabilidade”. Se já vendiam bem quando eram esquisitos, segurem a nova linha Logan-Sandero com o novo design.

A Hyundai vem encostada com 6,9%, basicamente todos HB20. Um case a ser estudado: a CAOA conseguiu imprimir à marca uma imagem premium que ela não tem em nenhum lugar do mundo e a montadora bancou a conta lançando um compacto que subiu a barra do segmento. Fizeram em cinco anos o que as francesas não fizeram em 15. A casa está caindo nos carros maiores – o público vem percebendo que Azera, Elantra, Sonata, i30 e ix35 são no máximo equivalentes aos concorrentes, se não inferiores, e atualmente não custam mais barato por isso. Mas o HB20 segue firme.

Depois vem a Toyota, ajudada pelo Etios, e a Honda, que não atua no segmento inferior a 50 mil reais. Citroën e Peugeot sofrem, com menos de 2% e muita dificuldade para virar o jogo, e a Nissan ainda atrás mais limitada pelas cotas de importação do México do que pelos produtos; deve alcançar as outras japonesas quando a produção em Rezende estiver a todo vapor.

É válido ainda comentar a superioridade da Fiat, com 21,6% do mercado, cabeça e ombros à frente de GM e Volks com 17,6% cada uma. Interessante que isto acontece justamente no período em que a linha da Fiat está mais fraca, pois vultosos recursos foram direcionados para a fábrica de Goiana em Pernambuco: o Linea está ridículo, o Punto envelheceu, o Bravo nasceu inferior à concorrência, o Grand Siena é mal ajambrado, o Palio não caiu no gosto e o Uno implora por uma revitalização (o 500 é bacana, mas vende pouco). Quem banca a Fiat é mesmo o Palio Fire, aquele da geração antiga, e a Strada com as suas múltiplas versões. Carros de volume, e cuja plataforma antiga permite boas margens (sem contar o preço extorsivo cobrado no Brasil, claro).


Se quer mesmo ser a maior do mundo, é hora da Volks aproveitar esta fragilidade. Mas não parece que este assunto está na pauta. Não faz sentido a Saveiro não ter acompanhado a Strada nas soluções de cabine estendida e dupla, seguindo a concorrente. Não faz sentido a Volks achar que um 1.6 8v serve para todos os carros em todos os momentos – a Fiat oferece versões 1.4 8v, 1.4 16v, 1.6 16v e 1.8 16v. E o sedã grande e barato da Volks, competindo com Grand Siena e Cobalt, cadê? E o Polo atualizado, para competir com o New Fiesta? Em muita coisa a Volks já revolucionou o mercado, começando pelo Jetta TSI e ainda mais com o Golf; o up! também foi um passo corajoso. Com essa lerdeza, a Fiat já terá completado Goiana e aí vai ser difícil segurar.

Comentários

Anônimo disse…
bela análise. Parabens !!!
rsgoldget disse…

Additionally, moreover, you may might see a shop locations and also pick pocket book the specific pads before you have any secrets as well as lessen one thing you've got.You could possibly believe that several of these secrets and techniques are used with the entrances. Simply throw open the specific upper body and you will have much more runescape precious metal. You may sustain carrying this out prior to deciding to adequate Rs Precious metal inside the sport.

RS 07 Gold

Buy RS 07 Gold

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6