Preço é uma coisa; status é outra

Teve certa repercussão a matéria da Forbes criticando os preços altos dos automóveis no Brasil. Aliás, não é matéria: é a opinião de um colunista/articulista, portanto sem muito embasamento que não a comparação direta dos preços.

Parte do que foi escrito é conhecido e notório de quem gosta de carros. Pagamos preços escorchantes pelos carros no Brasil devido ao governo boçal e incompetente. É mais barato comprar uma BMW na Alemanha (país não exatamente reconhecido pelos preços acessíveis) do que no Brasil. Comparar com os EUA, como fez o autor, é até covarde; os carros nos Estados Unidos talvez sejam os mais baratos do mundo. E aí temos distorções como um Cherokee custar mais de três vezes seu preço original no Brasil.

Até somos da opinião que as coisas nos EUA são baratas demais: as pessoas compram carros maiores do que precisam, com motores maiores do que precisam, e gastam uma gasolina barata produzida a partir de um recurso finito no planeta, o petróleo. O mundo se beneficiaria se carros e combustível fossem mais caros por lá. Agora, custar o triplo no Brasil é rir da cara dos brasileiros mesmo.

Além desta questão, uma outra frase do autor causou polêmica: “Não há status em comprar Toyota Corolla, Honda Civic, Jeep Cherokee ou Dodge Durango; não se deixe enganar pelo preço cobrado.”
O autor está certo. Nos EUA. A questão de status é relativa; varia de pessoa em pessoa, país em país, lugar em lugar. Na extinta União Soviética, status era simplesmente ter o carro; a grande maioria não tinha. E olhe que os carros eram os Ladas e Moskvichs sem nenhum requinte. Se nos EUA o Cherokee não tem status algum, na Europa é visto até com certo nojo: não cabe nas ruas, bebe muito combustível, representa uma tecnologia antiquada.

Já no Brasil, tanto Cherokee quanto Civic e Corolla têm status sim. Aqui são carros para poucos, objetos de desejo. Não deveria ser assim; o Corolla poderia ser um carro médio como é na Europa. Seria mais civilizado. Como infelizmente não é, graças ao governo estúpido que sobretaxa os automóveis e à ganância sem fim dos fabricantes, ficamos aqui sonhando com Corolla e Civic.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Dub, estive ausente por um tempo mas voltei !
Achei seus comentários muito bem colocados: não há acrescimos e nem excessos!
Muito bom! Continue this way!!!
Anônimo disse…
Tenho sonhado com o Eqqus, civic e corola são só meios de transporte perto dessa máquina. Esse sim dá status, é para poucos afortunados e abonados.
Ele tirou uma com a cara dos brasileiros sem conhecer bem nossos carros. Já pensou se ele descobrir o que é um Agile, Celta, Ka, Mille!?

Anônimo disse…
Caro,

Moro na Europa e posso lhe assegurar, no Brasil somos enganados dia a dia . É muito triste ver o preço que pagamos por bens de baixa qualidade. Não falo apenas de carros, mas de coisas simples como um queijo e um vinho deliciosos e a preços honestos, um leite que não tem água e por aí vai... Tinha no Brasil um Honda Fit, que apesar de ter sido um excelente carro, estava longe de merecer ser um objeto de status, mas era.

Aqui tenho uma BMW 530d Msport 2012. Vi há pouco um teste com o novo gol. Falavam com gosto que fazia até 18km/l na estrada e custava até uns 40000 reais. Meu carro faz pelo menos 21km/l na estrada, a não menos de 130km/h, e dentro da lei. Vale cada centavo do preço que paguei aqui, mas certamente completamente inacessível seria com os preços do Brasil. Há algo de muito errado abaixo do Equador... Abraços e parabéns pelo blog
guarda moveis disse…
É verdade, eu li essa matéria. Ela acabou sendo enviada para muitas pessoas.

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6