Comentários pelo ar

Antes de mais nada, agradecimentos aos leitores que compartilharam com o M4R a resistência ao compartilhamento total e irrestrito de tudo com traquitanas de Twitter, Facebook e quetais que só atrapalham a navegação de quem está interessado em conteúdo.

Comentários rápidos de dois carros a pedido do André:

- Renault Fluence

Uma das melhores surpresas do Salão do Automóvel de SP em 2010. Carro muito bonito, bem-feito, com interior claro e agradável, amplo espaço interno e o melhor conjunto entre motor e câmbio da categoria. Flex, três anos de garantia. A suspensão usa eixo de torção (podia ser mais evoluída), mas está bem acertada, com um comportamento mais para o macio. As dobradiças pescoço de ganso no porta-malas incomodam, e alguns materiais plásticos, como o das portas, poderiam ser melhores.

Mas isso é como achar pelo em ovo. O Fluence CVT é de longe a melhor compra da categoria dos sedãs do lado de cá de um Fusion 2.5. O manual é um bom carro, mas não tem o charme do CVT.

Isto posto, o consumidor médio vai continuar comprando Civic e Corolla, para azar da Renault.

VW Jetta TSFI

Muita gente acha o desenho sem sal; aqui, achamos lindo. Especialmente por mesclar sobriedade e esportividade de um jeito muito elegante, sem igual na categoria (Civic é esportivo demais; Corolla e todos os outros pendem para o lado tiozão).

O interior deixa a desejar para quem conheceu o Jetta anterior, mas está dentro de esperado nesta queda geral da qualidade do acamabento dos carros. O Fusion não é muito melhor.

O conjunto mecânico, no entanto, é o que dá água na boca. 200 cv, curva plana de torque desde baixos giros e câmbio DSG. 0 a 100 km/h em menos de 8 segundos. Deve ser um canhão, plantado no chão por uma moderna suspensão traseira multibraço. Não dirigimos, mas fontes e colegas confiáveis já o fizeram e acharam um carrão.

VW Up!

Não vamos falar do carro em si, mas das avaliações da imprensa europeia que fazem as inevitáveis comparações com o Fox, carro que o Up! substitui na Europa - e nem é o Fox que temos hoje, mas aquela "primeira geração".

E agora que o Fox está moribundo, os jornalistas aproveitaram para soltar o verbo. Coisas na linha "qualquer carro seria melhor que o Fox", "o Fox servia para dar saudades do Lupo (seu antecessor)", "o painel do Fox é tão sem graça que é capaz de entediar uma múmia", e coisas do gênero.

É bom para a gente ter o calibre de como o nível de alguns dos carros vendidos aqui é percebido em países com cultura automobilística decente.

Chevrolet Cruze

A C/D brasileira puxou um comparativo com Corolle XEi e Fluence... e o Cruze terminou em último. Isso para um carro recém-lançado. Coitada da GM, dá até pena.

Ford Fiesta

Agora a Ford trouxe o hatch. Ótimo carro, assim como o sedã. Mas cadê o automático, dona Ford? Vai fazer como o Focus que demorou dois anos para ganhar a versão flex e aí não emplaca mais?

Comentários

Wrca disse…
Renault não vende porque sua rede de concessionárias é péssima. Na troca de um Megane Grand Tour Dynamique, a própria renault pagou 26 mil no carro, isso porque foi pago 72 mil quando 0km.
Na toyota pagaram 30 mil reais, ou seja, nem a própria renault quer os carros que fábrica... Vai continuar vendendo pouco apesar de possuir um excelente produto.
Paul disse…
Wrca colocou o que tambem acontece com o Sentra e a Nissan: aqui o problema: quem manda na Nissan, no Brasil é a Renault (...e os problemas são quase os mesmos: pós vendas etc).
Ford: carros bem depenados (cade os air bags de cortina no Focus? E o ESC idem...) ...e os preços com muita gordura pra queimar: conclusão fico longe...

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6