Brasileiro, um idiota

O que vem abaixo é um texto longo e muito revoltante. Este é o trabalho brilhante do Joel Leite em seu blog no UOL Carros, “O mundo em movimento”. Joel analisa há anos o mercado automotivo e, embora sempre criticasse os preços altos, decidiu agora compor uma reportagem de verdade sobre o absurdo que é o preço dos carros aqui.

Nós do M4R agradecemos imensamente e parabenizamos o Joel Leite por este trabalho. Este é o verdadeiro papel da imprensa: crítica, e não aceitar desculpinha de fabricante como faz a QUATRO RODAS e aquele dublê de fotógrafo colocado como editor.

Em itálico, ao longo da reportagem, estão os comentários do M4R.

Lucro Brasil faz o consumidor pagar o carro mais caro do mundo

O Brasil tem o carro mais caro do mundo. Por quê? Os principais argumentos das montadoras para justificar o alto preço do automóvel vendido no Brasil são a alta carga tributária e a baixa escala de produção. Outro vilão seria o “alto valor da mão de obra”, mas os fabricantes não revelam quanto os salários – e os benefícios sociais - representam no preço final do carro. Muito menos os custos de produção, um segredo protegido por lei.

A explicação dos fabricantes para vender no Brasil o carro mais caro do mundo é o chamado Custo Brasil, isto é, a alta carga tributária somada ao custo do capital, que onera a produção. Mas as histórias que você verá a seguir vão mostrar que o grande vilão dos preços é, sim, o Lucro Brasil. Em nenhum país do mundo onde a indústria automobilística tem um peso importante no PIB, o carro custa tão caro para o consumidor.

A indústria culpa também o que chama de Terceira Folha pelo aumento do custo de produção: gastos com funcionários, que deveriam ser papel do estado, mas que as empresas acabam tendo que assumir, como condução, assistência médica e outros benefícios trabalhistas.

Com um mercado interno de um milhão de unidades em 1978, as fábricas argumentavam que seria impossível produzir um carro barato. Era preciso aumentar a escala de produção para, assim, baratear os custos dos fornecedores e chegar a um preço final no nível dos demais países produtores.

Pois bem: o Brasil fechou 2010 como o quinto maior produtor de veículos do mundo e como o quarto maior mercado consumidor, com 3,5 milhões de unidades vendidas no mercado interno e uma produção de 3,638 milhões de unidades.

Três milhões e meio de carros não seria um volume suficiente para baratear o produto? Quanto será preciso produzir para que o consumidor brasileiro possa comprar um carro com preço equivalente ao dos demais países?

Segundo Cledorvino Belini, presidente da Anfavea, “é verdade que a produção aumentou, mas agora ela está distribuída em mais de 20 empresas, de modo que a escala continua baixa”. Ele elegeu um novo patamar para que o volume possa propiciar uma redução do preço final: cinco milhões de carros.

[O que o Cledorvino quer é o monopólio da produção. Ou oligopólio entre três empresas que combinam os preços para o conumidor. Assim qualquer um trabalha. Engraçado que na Inglaterra, mercado menor que o brasileiro, temos mais marcas e não vemos esse tipo de reclamação absurda].

A carga tributária caiu e o preço do carro subiu

O imposto, o eterno vilão, caiu nos últimos anos. Em 1997, o carro 1.0 pagava 26,2% de impostos, o carro com motor até 100cv recolhia 34,8% (gasolina) e 32,5% (álcool). Para motores mais potentes o imposto era de 36,9% para gasolina e 34,8% a álcool.

Hoje – com os critérios alterados – o carro 1.0 recolhe 27,1%, a faixa de 1.0 a 2.0 paga 30,4% para motor a gasolina e 29,2% para motor a álcool. E na faixa superior, acima de 2.0, o imposto é de 36,4% para carro a gasolina e 33,8% a álcool.

Quer dizer: o carro popular teve um acréscimo de 0,9 ponto percentual na carga tributária, enquanto nas demais categorias o imposto diminuiu: o carro médio a gasolina paga 4,4 pontos percentuais a menos. O imposto da versão álcool/flex caiu de 32,5% para 29,2%. No segmento de luxo, o imposto também caiu: 0,5 ponto no carro e gasolina (de 36.9% para 36,4%) e 1 ponto percentual no álcool/flex.

[Isto explicado, 30% de imposto ainda é um absurdo. Governo inútil].

Enquanto a carga tributária total do País, conforme o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, cresceu de 30,03% no ano 2000 para 35,04% em 2010, o imposto sobre veículo não acompanhou esse aumento.

Isso sem contar as ações do governo, que baixaram o IPI (retirou, no caso dos carros 1.0) durante a crise econômica. A política de incentivos durou de dezembro de 2008 a abril de 2010, reduzindo o preço do carro em mais de 5% sem que esse benefício fosse totalmente repassado para o consumidor.

As montadoras têm uma margem de lucro muito maior no Brasil do que em outros países. Uma pesquisa feita pelo banco de investimento Morgan Stanley, da Inglaterra, mostrou que algumas montadoras instaladas no Brasil são responsáveis por boa parte do lucro mundial das suas matrizes e que grande parte desse lucro vem da venda dos carros com aparência fora-de-estrada. Derivados de carros de passeio comuns, esses carros ganham uma maquiagem e um estilo aventureiro. Alguns têm suspensão elevada, pneus de uso misto, estribos laterais. Outros têm faróis de milha e, alguns, o estepe na traseira, o que confere uma aparência mais esportiva.

A margem de lucro é três vezes maior que em outros países

O Banco Morgan concluiu que esses carros são altamente lucrativos, têm uma margem muito maior do que a dos carros dos quais são derivados. Os técnicos da instituição calcularam que o custo de produção desses carros, como o CrossFox, da Volks, e o Palio Adventure, da Fiat, é 5 a 7% acima do custo de produção dos modelos dos quais derivam: Fox e Palio Weekend. Mas são vendidos por 10% a 15% a mais.

O Palio Adventure (que tem motor 1.8 e sistema locker), custa R$ 52,5 mil e a versão normal R$ 40,9 mil (motor 1.4), uma diferença de 28,5%. No caso do Doblò (que tem a mesma configuração), a versão Adventure custa 9,3% a mais.

O analista Adam Jonas, responsável pela pesquisa, concluiu que, no geral, a margem de lucro das montadoras no Brasil chega a ser três vezes maior que a de outros países.

O Honda City é um bom exemplo do que ocorre com o preço do carro no Brasil. Fabricado em Sumaré, no interior de São Paulo, ele é vendido no México por R$ 25,8 mil (versão LX). Neste preço está incluído o frete, de R$ 3,5 mil, e a margem de lucro da revenda, em torno de R$ 2 mil. Restam, portanto R$ 20,3 mil.

Adicionando os custos de impostos e distribuição aos R$ 20,3 mil, teremos R$ 16.413,32 de carga tributária (de 29,2%) e R$ 3.979,66 de margem de lucro das concessionárias (10%). A soma dá R$ 40.692,00. Considerando que nos R$ 20,3 mil faturados para o México a montadora já tem a sua margem de lucro, o “Lucro Brasil” (adicional) é de R$ 15.518,00: R$ 56.210,00 (preço vendido no Brasil) menos R$ 40.692,00.

Isso sem considerar que o carro que vai para o México tem mais equipamentos de série: freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, airbag duplo, ar-condicionado, vidros, travas e retrovisores elétricos. O motor é o mesmo: 1.5 de 116cv.

Será possível que a montadora tenha um lucro adicional de R$ 15,5 mil num carro desses? O que a Honda fala sobre isso? Nada. Consultada, a montadora apenas diz que a empresa “não fala sobre o assunto”.

Na Argentina, a versão básica, a LX com câmbio manual, airbag duplo e rodas de liga leve de 15 polegadas, custa a partir de US$ 20.100 (R$ 35.600), segundo o Auto Blog.

Já o Hyundai ix35 é vendido na Argentina com o nome de Novo Tucson 2011 por R$ 56 mil, 37% a menos do que o consumidor brasileiro paga por ele: R$ 88 mil.

Por que o mesmo carro é mais barato na Argentina e no Chile?

A ACARA, Associacion de Concessionários de Automotores De La Republica Argentina, divulgou no congresso dos distribuidores dos Estados Unidos (N.A.D.A), em São Francisco, em fevereiro deste ano, os valores comercializados do Corolla em três países:

No Brasil o carro custa US$ 37.636,00, na Argentina US$ 21.658,00 e nos EUA US$ 15.450,00.
Outro exemplo de causar revolta: o Jetta é vendido no México por R$ 32,5 mil. No Brasil esse carro custa R$ 65,7 mil.

Por que essa diferença? Vários dirigentes foram ouvidos com o objetivo de esclarecer o “fenômeno”. Alguns “explicaram”, mas não justificaram. Outros se negaram a falar do assunto.
Quer mais? O Gol I-Motion com airbags e ABS fabricado no Brasil é vendido no Chile por R$ 29 mil. Aqui custa R$ 46 mil.

O Corolla não é exceção. O Kia Soul, fabricado na Coréia, custa US$ 18 mil no Paraguai e US$ 33 mil no Brasil. Não há imposto que justifique tamanha diferença de preço.
A Volkswagen não explica a diferença de preço entre os dois países. Solicitada pela reportagem, enviou o seguinte comunicado:

“As principais razões para a diferença de preços do veículo no Chile e no Brasil podem ser atribuídas à diferença tributária e tarifária entre os dois países e também à variação cambial”.

Questionada, a empresa enviou nova explicação:

“As condições relacionadas aos contratos de exportação são temas estratégicos e abordados exclusivamente entre as partes envolvidas”.

Nenhum dirigente contesta o fato de o carro brasileiro ser caro. Mas o assunto é tão evitado que até mesmo consultores independentes não arriscam a falar, como o nosso entrevistado, um ex-executivo de uma grande montadora, hoje sócio de uma consultoria, e que pediu para não ser identificado.

Ele explicou que no segmento B do mercado, onde estão os carros de entrada, Corsa, Palio, Fiesta, Gol, a margem de lucro não é tão grande, porque as fábricas ganham no volume de venda e na lealdade à marca. Mas nos segmentos superiores o lucro é bem maior.

O que faz a fábrica ter um lucro maior no Brasil do que no México, segundo consultor, é o fato do México ter um “mercado mais competitivo” (?).

[Não é difícil entender. Mercado mais competitivo é um mercado mais saturado. O México é porta de entrada para carros usados americanos que, via de regra, são bons e baratos. Isso força o preço dos carros novos para baixo, é a velha e boa concorrência. Num mercado saturado, os carros precisam ser bons e baratos para ganhar mercado, como é na Europa. No Brasil, se você colocar um motor de mobilete numa caixa de madeira e vender, vai ter gente comprando – porque é melhor do que andar a pé e muita gente ainda não tem carro].

Um dirigente da Honda, ouvido em off, responsabilizou o “drawback”, para explicar a diferença de preço do City vendido no Brasil e no México. O “drawback” é a devolução do imposto cobrado pelo Brasil na importação de peças e componentes importados para a produção do carro. Quando esse carro é exportado, o imposto que incidiu sobre esses componentes é devolvido, de forma que o “valor base” de exportação é menor do que o custo industrial, isto é: o City é exportado para o México por um valor menor do que os R$ 20,3 mil. Mas quanto é o valor dos impostos das peças importadas usadas no City feito em Sumaré? A fonte da Honda não responde, assim como outros dirigentes da indústria se negam a falar do assunto.

Mas quanto poderá ser o custo dos equipamentos importados no City? Com certeza é menor do que a diferença de preço entre o carro vendido no Brasil e no México (R$ 15 mil).

A conta não bate e as montadoras não ajudam a resolver a equação. Apesar da grande concorrência, nenhuma das montadoras ousa baixar os preços dos seus produtos. Uma vez estabelecido, ninguém quer abrir mão do apetitoso “Lucro Brasil”.

[Lembrando que baixar o preço de um carro sem critério pode matá-lo no mercado. Melhor exemplo é a geração antiga do Fusion. Começou a ser vendida por aqui a R$ 83 mil, sofreu ágio e chegou a R$ 90 mil, e as últimas unidades podiam ser compradas por R$ 70 mil. O resultado é um carro que nào vale nada usado.]

Ouvido pela AutoInforme, quando esteve em visita a Manaus, o presidente mundial da Honda, Takanobu Ito, respondeu que, retirando os impostos, o preço do carro no Brasil é mais caro que em outros países porque “aqui se pratica um preço mais próximo da realidade. Lá fora é mais sacrificado vender automóveis”.

Ele disse que o fator câmbio pesa na composição do preço do carro no Brasil, mas lembrou que o que conta é o valor percebido. “O que vale é o preço que o mercado paga”.

[É assim que funciona a precificação. Não se paga o quanto um bem custa, mas sim o quanto estamos dispostos a pagar por ele. Os marqueteiros têm milhares de pesquisas embaixo do braço para verificar o quanto o consumidor toparia pagar por um carro. Se o City não fosse da Honda, mas sim da Fiat, aquele carro pelado e sem graça não conseguiria ser vendido a R$ 60 mil nem se viesse a Luana Piovani junto].

E porque o consumidor brasileiro paga mais do que os outros?

“Eu também queria entender – respondeu Takanobu Ito – a verdade é que o Brasil tem um custo de vida muito alto. Até os sanduíches do McDonalds aqui são os mais caros do mundo”.
“Se a moeda for o Big Mac – confirmou Sérgio Habib, que foi presidente da Citroën e hoje é importador da chinesa JAC - o custo de vida do brasileiro é o mais caro do mundo. O sanduíche custa US$ 3,60 lá e R$ 14,00 aqui”. Sérgio Habib investigou o mercado chinês durante um ano e meio à procura por uma marca que pudesse representar no Brasil. E descobriu que o governo chinês não dá subsídio à indústria automobilística; que o salário dos engenheiros e dos operários chineses não são menores do que os dos brasileiros.

“Tem muita coisa errada no Brasil – disse Habib, não é só o preço do carro que é caro. Um galpão na China custa R$ 400,00 o metro quadrado, no Brasil custa R$ 1,2 mil. O frete de Xangai e Pequim custa US$ 160,00 e de São Paulo a Salvador R$ 1,8 mil”.

[Comparar com a China é ridículo. O país é governado com mão de ferro por comunistas, tudo é tabelado, os salários são escorchantes e não há preocupação ambiental nenhuma.]

Para o presidente da PSA Peugeot Citroën, Carlos Gomes, os preços dos carros no Brasil são determinados pela Fiat e pela Volkswagen. “As demais montadoras seguem o patamar traçado pelas líderes, donas dos maiores volumes de venda e referência do mercado”, disse.

Fazendo uma comparação grosseira, ele citou o mercado da moda, talvez o que mais dita preço e o que mais distorce a relação custo e preço:

“Me diga, por que a Louis Vuitton deveria baixar os preços das suas bolsas?”, questionou.

Ele se refere ao “valor percebido” pelo cliente. É isso que vale.

“O preço não tem nada a ver com o custo do produto. Quem define o preço é o mercado”, disse um executivo da Mercedes-Benz, para explicar porque o brasileiro paga R$ 265.00,00 por uma ML 350, que nos Estados Unidos custa o equivalente a R$ 75 mil.

“Por que baixar o preço se o consumidor paga?”, explicou o executivo.

“Quando um carro não tem concorrente direto, a montadora joga o preço lá pra cima. Se colar, colou”.

A Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, apresentou dia 29 o seu Estudo de Competitividade no Setor Automobilístico, para mostrar ao governo o que considera uma “injusta concorrência” da indústria instalada no Brasil em relação aos importadores.
Cledorvino Belini, presidente da entidade, responsabiliza os custos dos insumos pelo alto preço do carro feito no Brasil. Disse que o aço custa 50% mais caro no Brasil em relação a outros países e que a energia no País é uma das mais caras do mundo.

Os fabricantes consideram que o custo dos insumos encarece e prejudica a competitividade da indústria nacional. “O aço comprado no Brasil é 40% mais caro do que o importado da China, que usa minério de ferro brasileiro para a produção”, disse Belini. Ele apontou também os custos com a logística como um problema da indústria nacional e criticou a oneração do capital: “É preciso que o governo desonere o capital nos três setores: cadeia produtiva, na infraestrutura e na exportação de tributos”.

Mas para os importadores, o que os fabricantes querem é se defender de uma queda na participação das vendas internas, o que vem acontecendo desde a abertura do mercado, há duas décadas.

“As montadoras tradicionais tentam evitar a perda de participação tanto para as novas montadoras quanto para as importadoras”, disse José Carlos Gandini, presidente da Kia e da Abeiva, a associação dos importadores de veículos. “Mas o dólar é o mesmo pra todo mundo. As montadoras também compram componentes lá fora.”

Gandini disse que os carros importados já são penalizados; que as fábricas instaladas aqui estão protegidas por uma alíquota de 35% aplicada no preço do carro estrangeiro, por isso não se trata de uma concorrência desleal: “ao contrário, as grandes montadoras não querem é abrir mão da margem de lucro”.

Na verdade, o setor tem (muita) gordura pra queimar, tanto às fábricas instaladas aqui quanto os importadores. O preço de alguns carros baixou até 20% ou 30% depois da crise econômica, por causa da grande concorrência.

[Não faz sentido um carro importado, que paga 35% de imposto de importação, ser vendido aqui ao mesmo preço do similar nacional, como é o caso de i30 e Soul, por exemplo. Isso só exemplifica a estúpida margem de lucro existente].

O Azera, da Hyundai, chegou a ser vendido por R$ 110 mil. Hoje custa R$ 70 mil. Claro que a importadora não está tendo prejuízo vendendo o carro por R$ 70 mil. Então, tinha um lucro adicional de R$ 40 mil, certo? Se você considerar que o carro paga mais 35% de alíquota de importação, além de todos os impostos pagos pelos carros feitos no Brasil, dá pra imaginar o lucro das montadoras.

Um exemplo recente revela que o preço pode ser remanejado de acordo com as condições do mercado: uma importadora fez um pedido à matriz de um novo lançamento, mas foi apenas parcialmente atendida, recebeu a metade do volume solicitado. Então, “reposicionou” o carro para um patamar de preço superior, passando de R$ 75 mil para R$ 85 mil.

A GM chegou a vender um lote do Classic com desconto de 35% para uma locadora paulista, segundo um ex-executivo da locadora em questão.

Entre os carros fabricados aqui, Fiesta, C3, Línea receberam mais equipamentos e baixaram os preços, depois da chegada dos chineses, que vieram completos e mais baratos que os concorrentes.

[O Linea especificamente não é vítima dos chineses, mas do fato de ser um carro mais ou menos de uma marca que ainda precisa se firmar no segmento. E é derivado do Punto, então seu custo de fabricação deve ser equivalente ao de um picolé de limão].

Um consultor explicou como é feita a formação do preço: ao lançar o carro, o fabricante verifica a concorrência. Caso não tenha referência no mercado, posiciona o preço num patamar superior. Se colar, colou. Caso contrário passa a dar bônus para a concessionária até reposicionar o produto num preço que o consumidor está disposto a pagar.

[O Linea foi assim – começou a R$ 65 mil e teve de cair para R$ 50 mil. Outro que encalhou foi o Peugeot 3008, caro demais. O Fusion de primeira geração poderia ter vindo até mais caro: por R$ 83 mil, vendeu quatro vezes mais que a expectativa].

A propósito, a estratégia vale para qualquer produto, de qualquer setor.

Míni Cooper, Cinquecento e Smart, são conceitos diferentes de um carro comum: embora menores do que os carros da categoria dos pequenos, eles proporcionam mais conforto, sem contar o cuidado e o requinte com que são construídos. São carros chiques, equipados, destinados a um público que quer se exibir, que quer estar na moda, que paga R$ 50 ou R$ 60 mil por um carro menor do que o Celta, que custa R$ 30 mil.

O Smart (R$ 50 mil) tem quatro airbags, ar-condicionado digital, freios ABS com EBD, controle de tração e controle de estabilidade. O Cinquencento (R$ 60 mil) vem com sete airbags, banco de couro, ar-condicionado digital, teto solar, controle de tração. E quem comprar o minúsculo Míni Cooper vai pagar a pequena fortuna de R$ 105 mil.

Mesmo com todos esses equipamentos, os preços desses carros são muito altos, incomparáveis com os preços dos mesmos carros em seus países de origem. (A Fiat vai lançar no mês que vem o Cinquecento feito nom México, o que deve baratear o preço final.)

Os chineses estão mudando esse quadro. O QQ, da Chery, vem a preço de popular mesmo recheado de equipamentos, alguns deles inexistentes mesmo em carros de categoria superior, como airbag duplo e ABS, além de CD Player, sensor de estacionamento. O carro custa R$ 22.990,00, isso porque o importador sofreu pressão das concessionárias para não baixar o preço ainda mais.

[Comparar QQ e Mini Cooper é comparar bananas com tijolos, no que é o único vacilo da reportagem brilhante do Joel Leite. Ambos são pequenos, sim, mas o QQ é um carro comum e Smart, Mini e 500 são carros de imagem. São para quem poderia comprar um Fusion V6 mas prefere um carro menor, mais jovem e mais estiloso. Nem sempre o consumidor está atrás especificamente do custo-benefício].

“A idéia original – disse o presidente da Chery no Brasil, Luiz Curi – era vender o QQ por R$ 19,9 mil”. Segundo Curi, o preço do QQ poderá chegar a menos de R$ 20 mil na versão 1.0 flex, que chega no ano que vem. Hoje o carro tem motor 1.1 litro e por isso recolhe o dobro do IPI do 1000cc, ou 13%, isso além dos 35% de Imposto de Importação.

Por isso não dá para acreditar que as montadoras têm “um lucro de R$ 500,00 no carro de 1000cc”, como costumam alardear alguns fabricantes.

Tem é muita gordura pra queimar

As fábricas reduzem os custos com o aumento da produção, espremem os fornecedores, que reclamam das margens limitadas, o governo reduz impostos, como fez durante a crise, as vendas explodem e o Brasil se torna o quarto maior mercado consumidor e o sexto maior produtor. E o Lucro Brasil permanece inalterado, obrigando o consumidor a comprar o carro mais caro do mundo.

[No M4R acreditamos em duas possibilidades para matar esses preços altos:

1. Uma invasão chinesa de verdade, em todos os níveis, com carros ultra baratos e que não se acomodem em patamares caros, como a Hyundai está fazendo;
2. Uma crise econômica que derrube as vendas e obrigue as montadoras a batalhar pelo consumidor, como aconteceu por aqui entre 98 e 2003, nossa época de ouro.

Caso contrário, os preços só cairão quando o brasileiro em geral já tiver um carro e começar a escolher melhor o que compra, recusando-se a levar pra casa um Golf ou um Vectra velho e ridículo por R$ 60 mil].

Comentários

Anônimo disse…
Caro Dubstyle, tenho uma dúvida: para que se preocupar com o valor que um carro terá daqui a x anos? Isso seria um outro fator que ajuda a deixar os preços dos 0km lá em cima, certo?

Abraços.
Anônimo disse…
Acredito que o mercado de carros poderia baixar o preço se as vendas se concentrassem apenas em um fabricante, vou explicar melhor: por exemplo a fiat ficasse com 80% de todas as vendas de carro, nesse caso todas as demais teriam que oferecer um produto superior para não quebrarem nesse processo a fiat perderia mercado e para manter seu market share ofereceria mais por menos, baixando o preço ou com produtos melhores. O grande problema que vejo hoje é que cada fabricante tem sua parcela e está satisfeito na zona de conforto, e nesse caso todos os consumidores perdem. Forma-se um cartel onde os lideres é que definem o preço e os outros seguem, como apontado no texto.
Anônimo disse…
eu tenho um bom argumento pq ainda hoje se vende golf...seu acabamento!!! me mostre que carro tem o acabamento e detalhes internos igual ou melhor como painel, veja a entrada do ar condicionado, maçaneta cromada e iluminação azul? um que poderia chegar perto é o focus mas com aquela maçaneta e porta dá vergonha, de q adianta ter tecnologia que não se vê e por tudo a perder no acabamento? o golf 1.6 manual é a melhor opção e entre todos os carros hj na faixa de 50 mil reais compraria um, assim como as suas vendas devem ser mais de 60% nessa versão. me digam qual é melhor que ele: astra? vectra? new fiesta? cerato? fit? sentra? linea? o golf possui ainda um cambio perfeito e olhe seu detalhe em couro e manopla. o fato de ser vw já seria um forte argumento de não comprar, mas nessa faixa de preço não vejo nada de interessante, estou pensando em comprar um. golf ainda é um carro que te respeita pelo que vc paga nele, isso se vc esquecer o projeto, o motor, enfim com ressalvas.
Anônimo disse…
Vamos comprar carros USADOS!!!
Assim, o número de vendas de carros novos vai cair e as montadoras terão que abaixar os preços para reconquistar seus clientes....
Anônimo disse…
vejam o que achei (Com a morte do Itamar, será que a VW vai relançar o Fusca mais um vez?) estou dando os creditos muito genial

http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=AoKCPVIJKQPRWAocG7ghALUs7Qt.;_ylv=3?qid=20110702133125AAs3vHn
Wagner Almeida disse…
É isso aí Dub. Carro no Brasil é muito caro mesmo. Quando eu comprar um zero quero, no mínimo, 5mil reais de desconto em cima do preço de tabela pra diminuir meu prejuízo... Até esses carros chineses estão caros, deviam estar de 5 a 10 mil reais mais baratos.
Anônimo disse…
Gente, o problema principal não são as montadoras e governo, SÃO OS CONSUMIDORES QUE NÃO VALORIZAM O SEU DINHEIRO! Brasileiro não compra carro pensando no custo benefício, compra para ter STATUS! Porque uma pessoa que mora na cidade e não tem fazenda, nem gosta de andar em estrada de terra compra uma Hilux, L200 ou Amarok? É para mostrar pros amigos que tem um carro maior, mais bonito e mais caro que o dele! Portanto, a culpa é do consumidor! Na minha opinião, no Brasil, consumidor inteligente é aquele que compra carro usado semi-novo, pois aí ele está pagando o preço justo, que deveria ser o preço dele quando zero.
Anônimo disse…
Gente, o problema principal não são as montadoras e governo, SÃO OS CONSUMIDORES QUE NÃO VALORIZAM O SEU DINHEIRO! Brasileiro não compra carro pensando no custo benefício, compra para ter STATUS! Porque uma pessoa que mora na cidade e não tem fazenda, nem gosta de andar em estrada de terra compra uma Hilux, L200 ou Amarok? É para mostrar pros amigos que tem um carro maior, mais bonito e mais caro que o dele! Portanto, a culpa é do consumidor! Na minha opinião, no Brasil, consumidor inteligente é aquele que compra carro usado semi-novo, pois aí ele está pagando o preço justo, que deveria ser o preço dele quando zero.
Anônimo disse…
É isso aí, se o brasileiro tá nadando em bosta, o maior culpado disso tudo é o próprio brasileiro, que é corajoso para sair dando tabefe em todo mundo na rua, mas vira o rabo para o governo enfiar tudo o que quer. O brasileiro é um povo hostil, violento, mau por natureza, ganancioso ao extremo (raízes portuguesas, fazer o que...), que não mede consequencias para ganhar todo o dinheiro que ele puder conseguir, mesmo que isso custe o bem-estar de toda uma sociedade. O brasileiro só está provando um pouco de seu próprio veneno, semente ruim, frutos ruins. É a nossa realidade. Ser brasileiro é uma vergonha. Espero que um dia isso mude.

Postagens mais visitadas deste blog

Comparativo: Celta Life 1.0 VHC x Palio 1.0 Fire

Teste: Hyundai Azera 3.3 V6

Teste: Chevrolet Zafira Elegance 2.0 automática